Posted on Deixe um comentário

7 Lições de Vida que Aprendi com a Amamentação [Experiência pessoal]

Na sequência da semana mundial da amamentação, decidi partilhar contigo a minha história, a minha experiência pessoal com a amamentação. E as 7 lições que aprendi pelo caminho. Espero que possa inspirar alguém na mesma situação!

 

Apesar de ter frequentado o curso de preparação para o parto, nada me preparou para as dificuldades que iria sentir. E jamais me passaria pela mente naqueles primeiros dois meses que o gesto Baby Signs ® favorito do meu filho viria a ser leite (leia-se “mama”)! E muito menos que mamaria até aos 22 meses.

A minha primeira sensação/reacção quando o meu filho mamou pela primeira vez, foi de estranheza, de invasão ao meu corpo, que de repente deixou de ser só meu. Eu não estava preparada. E não esperava isso de mim. Sempre quis ser mãe e passar por toda a experiência da maternidade, e a minha reação não foi romântica, nem perto do que eu imaginei.

Lição 1 aprendida: não tenhas expectativas!

De tudo, para mim foi o mais difícil, onde me senti mais perdida, e durou longos dois meses, e de repente, foi como se nada tivesse acontecido. Fez-se o clique, aprendemos um com o outro.

Passei por uma gravidez tranquila de 40 semanas, apesar de não ter a certeza se o meu bebé seria prematuro, devido à minha formação uterina. Passei por uma cirurgia, por uma analgesia feita como a epidural, tive sensação de náuseas e desmaio, e todos os riscos associados a uma cesariana, passei pela cicatrização da mesma com dores suportáveis (excepto quando espirrei em menos de 24h após a cirurgia – pensei que tinha rebentado tudo), e ainda assim a amamentação foi 10 vezes mais difícil de gerir.

Lição 2 aprendida: És mais forte do que pensas ser!

Passo a explicar.

O facto de ter mamilos invertidos, e saber que não seria impeditivo de amamentar, sabia também que podia dificultar (e não me esclareci o suficiente sobre este aspeto). Na primeira vez que o meu filho mamou, na presença da enfermeira, ele não conseguia segurar o mamilo. E a enfermeira coloca de imediato um mamilo de silicone.

Lição 3 aprendida: aproxima-te de quem sabe mais sobre a amamentação natural (sem adereços)

Dores. Dores. E mais dores, todas as vezes que amamentava. TODAS, sem excepção. E refiro-me a intervalos de 3 horas no máximo e 10 minutos no mínimo. Durante 2 largos meses!

O meu filho chorava de fome, e caíam-me lágrimas de dores. Fiz feridas que não tinham tempo de sarar. Usava uns discos de gel que eram colocados no frio para que aliviasse e sarasse o mais rapidamente possível nos intervalos.

Lição 4 aprendida: amamentar não é intuitivo (hoje em dia), procura ajuda!

Se antigamente todas as meninas viam as suas mães, tias, vizinhas a amamentar, e aprendiam desde cedo todos os truques e tornava-se assim “intuitivo”, hoje e na minha geração não foi bem assim. Portanto, foi quando conheci a enfermeira, cuja experiência era rica em ajudar mães a ultrapassarem estes percalços com a amamentação, que percebi o que tinha de fazer. Mas não só, fez-me acreditar que um dia deixaria de sentir as dores e que seria prazeroso.

E apesar das dores diárias, aquela crença fez-me persistir, à medida que ia corrigindo, aprendendo com o meu filho e o meu filho comigo.

Ele adormecia a mamar, não ganhava peso, ficava imenso tempo na mama a chuchar, quando eu pensava que estava a alimentar-se. Tanta nabice junta, que podia ter sido evitada, se tivesse tido o conhecimento da existência de CAMs (Conselheiras em Aleitamento Materno).

Lição 5 aprendida: Procura uma CAM e nunca desistas (se for essa a tua vontade)

E na consulta do primeiro mês, a médica, perante o baixo peso e a descrição que lhe passei, sai-se com o infeliz “parece-me que o seu leite é fraquinho, vamos adicionar leite artificial”.
No dia seguinte, felizmente voltei a encontrar-me com a enfermeira, que desmistificou logo a questão “LEITE FRACO NÃO EXISTE” e ainda acrescenta “e não permitas que ninguém te diga isso”! E a lata ficou no armário até passar de prazo!

Lição 6 aprendida: Nem todos os médicos estão bem informados.

Passados os dois meses, um belo dia, o meu filho acorda esfomeado, e mama tão bem, as dores estavam a ir embora e o meu bebé começa a ganhar peso e a crescer. Passou! Passou tudo, eu aprendi e ele também. Fui capaz de ultrapassar tudo e percebi, percebi porque tantas mães ficam pelo caminho.

São demasiadas vozes e são demasiado contraditórias entre médicos, enfermeiros, familiares e amigos. São tantas as vozes, que deixamos de nos ouvir e perdemos a oportunidade de nos aconselhar com quem realmente nos pode ajudar, na missão que escolhemos cumprir, e acabamos por desistir antes de conseguir.

Deixei de julgar, porque eu também teria desistido, se não houvesse alguém que acreditasse e me dissesse que era possível e que eu seria capaz.

Lição 7 aprendida: tem paciência, persistência e não desistas até conseguires aquilo que realmente queres!

E foram assim, 6/7 meses em leite materno exclusivo e amamentei até aos seus 22 meses.

 

Diz-me, através de um comentário em baixo, se este artigo te foi útil! e coloca qualquer questão que tenhas.

Um dia feliz

Sabla D’Oliveira